Partilhe
O mito da marca não registada e não Trade Mark, “Pão Podre” ™ ou ®.

O mito da marca não registada e não Trade Mark, “Pão Podre” ™ ou ®.

Muito bom !

A Tribuna de Mões contactou o INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial – a organização do Estado responsável pelo registo de marcas e patentes. “Pão Podre” não é nenhuma marca registada nem nunca virá a ser. Porque é uma designação genérica com origem secular, supostamente com berço em Marco de Canaveses. Depois a receita multiplicou-se, pelo menos por dois séculos, por industriais da fileira da panificação. É considerada uma designação regional e só. Que pode ir do Marco de Canaveses até Pequim. Isto é a realidade e a verdade.

O que interessa à TM é divulgar o que de bom e bem se faz em Mões, sempre o afirmamos.

O Pão Podre de Mões tem apenas e só duas referências de qualidade. O Fabrico da Pastmões (a Sineta) e o fabrico do Cantinho do Pastel, aqui ilustrado. Oportunamente ilustraremos também o fabrico de “a Sineta”.

Uma vez que a alegação de que o “Pão Podre” é uma marca registada, não passa dum mito urbano, sem qualquer fundamento, sem um mínimo de senso, compete à obediência das regras do fabrico (vulgo receita) e à opinião dos consumidores, o resultado final.

O Pão Podre de Mões deve a sua saborosa existência e actualidade às Senhoras de Mões. Que há muitos e muitos anos o amassam, o cozem a lenha e desta forma simples e genial o perpetuaram desde a origem sem memória. “O Cantinho do Pastel” e “a Sineta” são bons exemplos da tradição, de qualidade. Mas nunca nos podemos esquecer das origens, das Senhoras de Mões e as das Aldeias, das Comunidades vizinhas que connosco partilham o dia a dia. Há espaço para todos, não há espaço para a inveja.

Parabéns ao Cantinho do Pastel e à Sineta pelo esforço e qualidade.

Parabéns às Senhoras de Mões, Senhoras das Aldeias e das Freguesias Amigas, pelo manter da tradição, com uma inexcedível qualidade humana e uma sabedoria que faz inveja aos “sábios”. Só por Elas existe o Pão Podre.

Nós somos o que fomos.

O resto são tretas.